Google+ Followers

quinta-feira, 31 de março de 2016

POR HÉLIO LEITÃO - MORO SE TORNOU UM "APRENDIZ DE GOLPISTA"

Sérgio Moro se tornou um "aprendiz de golpista", diz secretário da Justiça do Ceará

na aula pública "em defesa pela democracia e contra o golpe", realizada na noite desta quarta-feira, 30, no auditório da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC)

http://www.opovo.com.br/app/politica/2016/03/30/noticiaspoliticas,3596015/sergio-moro-se-tornou-um-aprendiz-de-golpista-diz-secretario-da-jus.shtml 

Para Hélio Leitão, secretário estadual da Justiça e Cidadania, Moro cometeu vários excessos na Lava Jato, como nos casos de divulgação dos grampos telefônicos e na condução coercitiva do ex-presidente Lula

Publicado no Jornal "O POVO" on line 30/03/2016 


Hélio Leitão foi dos integrantes da mesa de debate realizada na Faculdade de Direito da UFC


Auditório da Faculdade de Direito da UFC ficou lotado durante aula pública

Atualizada às 22h19min O POVO 30/03/2016
A atuação do juiz Sérgio Moro foi bastante criticada pelos juristas componentes da mesa da aula pública "em defesa pela democracia e contra o golpe", realizado na noite desta quarta-feira, 30, no auditório da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC), localizado no Centro. O secretário estadual da Justiça e Cidadania, Hélio Leitão, um dos participantes do debate, chamou o responsável pelas investigações da operação Lava Jato de "aprendiz de golpista" e disse que o pedido de desculpa de Moro ao Supremo Tribunal Federal (STF), neste momento, já não faz diferença.

Para Hélio, Moro cometeu vários excessos na Lava Jato, como nos casos de divulgação dos grampos telefônicos e na condução coercitiva do ex-presidente Lula. O secretário afirma que o magistrado da Justiça Federal do Paraná deixou de exercer suas funções para se tornar uma peça importante do jogo político. "Ele divulgou um conteúdo de interceptação telefônica, que foi capturado quando ele já teria mandado cessar as interceptações. Quando Moro divulgou, ele despiu a toga de magistrado e se tornou protagonista de uma cena política rasteira e, neste momento, deixou de ser juiz. Essa mea culpa (pedidos de desculpa), a essa altura do campeonato, não faz muita diferença", disse Leitão ao O POVO Online.

Durante discurso na mesa, Hélio também aproveitou para criticar o juiz federal. “No momento em que ele põe de parte os interesses da justiça e faz da ação judicial, da magistratura, um instrumento a serviço do golpe, se torna um aprendiz de golpista", acusou o secretário. Leitão ainda criticou as fundamentações do processo de impeachment e classificou com um "grande equívoco" a decisão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de apoiar a ação . Para advogada e professora adjunta da UFC, Cynara Monteiro, que presidiu a mesa na aula pública, o pedido de impeachment não utiliza bases verdadeiras. "O atual processo de impeachment da presidente Dilma é ilegítimo porque as bases não são verdadeiras. As pedaladas fiscais não constituem operação de crédito, portanto não tem crime de responsabilidade. O áudio (grampo telefônico) é uma prova ilícita, portanto não pode ser utilizado", comentou ela.

Entre outros assuntos colocados na mesa, foram levantadas questões sobre a nomeação do ex-presidente Lula e a ordem econômica internacional. Além de Cynara e Hélio, participaram como palestrantes na ocasião: professor Newton Albuquerque (UFC), professor Martônio Mont'Alverne (procurador do Município de Fortaleza, Unifor), professora Gretha Leite Maia (UFC), professor Felipe Braga (UFC), professor Fábio Sobral (Economia-UFC) e o secretário adjunto da Secretaria Especial de Políticas sobre Drogas, Marcelo Uchôa.

quarta-feira, 23 de março de 2016

LANÇAMENTO DO MOVIMENTO "MÉDICOS PELA DEMOCRACIA"

Foi lançado ontem, 22/03/2016, em Fortaleza-CE, por um grupo de médicos progressistas, o movimento "MÉDICOS PELA DEMOCRACIA", com um manifesto em defesa da democracia em nosso país. O movimento já conta , até o presente momento, com a participação de 108 médicos. Esse número tende a crescer a cada instante. Respaldado por um grupo no Whats App e uma página no Facebook, o movimento conta com dois importantes articuladores: Dr. Manoel Fonseca e Dr. Arruda Bastos ex-secretário da Saúde do Ceará.





Para assinar a petição pública de apoio ao manifesto, clique no link abaixo.

http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR89375

Manifesto ”Médicos pela democracia”

“O correr da vida embrulha tudo; a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem”.
Guimarães Rosa

Vivemos um tempo sombrio em nosso país, em que o Estado de Direito está sendo corroído e há uma exacerbação de preconceitos, intolerância e violência.
A Constituição brasileira está sendo aviltada por decisões judiciais arbitrárias. Não aceitamos a tentativa de golpe que visa cassar a vontade livre e soberana dos brasileiros que se expressaram nas urnas. Diante desta grave situação, nós “médicos pela democracia” firmamos nossa posição:

1- Defendemos a Democracia e a manutenção do Estado Democrático de Direito, respeitando o arcabouço jurídico previsto na Constituição Brasileira de 1988.
2- Acreditamos que o debate político, pautado pelo respeito, destituído de sentimentos de ódio, preconceito e da incitação à violência é salutar para a jovem democracia brasileira.
3- Não compactuamos com a corrupção e defendemos que corruptos e corruptores sejam investigados, julgados e punidos, dentro da Lei, protegendo o direito a ampla defesa, presunção de inocência e ao contraditório.
4- Repudiamos a seletividade e parcialidade, observada em distintas ações executadas por setores do judiciário e da polícia federal, induzindo-nos a crer que exista uma articulação entre tais setores, alguns partidos e a grande mídia, com o objetivo de destituir a Presidenta da República.
5- Discordamos dos posicionamentos sobre a atual conjuntura política, publicados recentemente, sem consulta à categoria, das entidades médicas: Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB) e o Sindicato dos Médicos do Ceará.
6- Não aceitamos que, insuflados por operações espetaculosas do aparelho judicial-midiático, se estabeleça um clima de intolerância e violência em nosso país e atitudes fascistas sejam estimuladas, quebrando a liberdade de opinião e destroçando as relações sociais.
Defendemos, portanto, o Estado Democrático de Direito, a Soberania Nacional, a Justiça Social e a Liberdade. Não ao Golpe!
*Fortaleza, 22 março de 2016
Lista inicial de assinaturas:
1. Manoel Fonseca
2. Antonio Lima Neto
3. Marilana Cavalcante
4. Paulo Giordano Baima Colares
5. Frederico Fernando Esteche
6. Rivianny Arrais
7. Paulo Marcelo Oliveira
8. Lídia Dias
9. Rui de Gouveia
10. Keny Colares
11. Jarbas Roriz
12. Alciléa Leite
13. Olivia Bessa
14. Jansen Gomes
15. Joel Porfirio
16. Beatriz Andrade
17. Lis Monteiro de Carvalho Guerra
18. Nara Monte Arruda
19. Ana Margarida Arruda Rosemberg
20. Arruda Bastos
21. Paulo prado
22. Maria Vaudelice Mota
23. Marússia Guedes
24. Fátima Dourado
25. Luiz Teixeira Neto
26. Mário Mamede
27. Henrique Leal Cardoso
28. Teresinha Braga
29. Ângela Uchôa
30. Paulo César Perone da Silva
31. Dislene Maria Gonçalves de Lemos
32. Cesário Catunda Martins
33. Paulo Ronalth Peres Melo
34. Helly Pinheiro Ellery
35. Agamenon Honorio Silva
36. Helena Serra Azul Monteiro
37.Edilson Melo
38. Ivana Cristina Barreto
39. Gabriela Cabral de Queiroz
40. Clêide Maria F. Arruda Pires
41. Erotilde Honorio Silva
42. Raimundo Araújo Melo.
43. Fabiana Freire
44. Robério Dias Leite
45.Maria Denise Rocha Menezes
46.Valdy Ferreira de Menezes
47. Marcos Venicios Norjosa Gonzaga
48.Christiane Araujo Chaves Leite
49. Karl Dmitri Ramos Moura
50. Aldaiza Marcos Ribeiro
51. Marcelo Jorge Jacó Rocha
52. Henrique Silva Thé Radiologia
53. Lorena Rocha P. C. R. Oliveira
54. João Alexandre de Sousa Neto
55.Zelia Becco de Souza Filha
56. Luiz Porto
57. Eder Guerra
58. Cristiane P Brandão
59. Vicente Pinto
60. Alexandre Henrique Eller
61. Thereza Christina de Melo Vilar
62. Alexandre José Mont’Alverne Silva
63. Maria Neile Torres de Araujo
64. Rômulo Rebouças Lôbo
65. Cleto Dantas Nogueira
66. Renato Luiz Maia Nogueira
67. Marta Rejane Costa Feitosa
68. Lindenberg Barbosa Aguiar.
69. Silvia de Melo Cunha
70. Daniel de Holanda Araújo
71. Carlos Cláudio Alencar de Castro
72. Luiz Henrique Coelho Garcia.
73. Yacy Mendonça de Almeida
74. Eugênio de Moura Campos
75. Carlos Wagner Luna Gomes.
76. Marcio Erlon Fontenele Moreira
77. Gisela Rufino Oliveira
78. Suzane Viana Crisóstomo
79. Fabrício de Maicy Bezerra
80. António Carlos Cavalcante Correia.
81. Maria de Lourdes Bandeira de Melo Viana
82. Harnoldo Colares Coelho
83.Leandro Araújo da Costa
84. Francisco Werlames Landim Pereira
85. Ligia Kerr
86. Kathia Liliane da C.R.Zuntini
87. Silvio Carlos Rocha de Freitas
88. Jose Ricardo B Azevedo

segunda-feira, 14 de março de 2016

POR: PAULO HENRIQUE AMORIM - MANIFESTAÇÃO DE BRANCOS EM UMA NAÇÃO DE NEGROS



                                   PAULO HENRIQUE AMORIM  - JORNALISTA E ESCRITOR

Foi uma manifestação de brancos numa Nação negra
É a passeata de sempre na Globo de sempre: sem negro ou desdentado
Este post foi escrito às 13h00.
Quando a passeata do Rio chegou ao ponto de saturação e a de São Paulo é uma preparação.
(Uma preparação feérica, riquíssima, cheirosa, de dezenas de carros de som, patos do Skaf daFIE P, muito tenis Nike.
Mas, negro que é bom ... nada !
Foi uma passeata de brancos numa Nação negra.
Numa nação de maioria negra e parda (para atender às exigências conceituais do Gilberto Freire com "i".
É a mesma passeata de sempre, com mais cinco ou menos cinco brancos, aqui ou ali, e com a mesma Globo de sempre: uma prova concreta, física do apartheid social no Brasil.
Em Copacabana, o desfile foi patético.
Copacabana é um bairro cercado de magníficas e deslumbrantes favelas.
Pavão-Pavãozinho, Cantagalo, Tabajaras, Morro dos Cabritos, Chapéu Mangueira.
Dona Marta ali perto, no Humaitá.
E Vidigal e Rocinha, mais para a São Conrado.
São alguns milhões de negros - E POBRES !
Que não se mexeram para sair na Globo.
Ficaram em casa !
No botequim, tomando cerveja e esculhambando o Flamengo e o Fluminense, que querem jogar o Fla-Flu, em São Paulo.
O que a Globo mostrou no Rio foi um iate com a familia vestida de verde e amarelo, e um exuberante "fora Dilma".
Depois, vai ancorar no Iate Clube e tomar champagne Veuve Clicquot - rosé, porém !
E em Salvador ?
A cidade mais negra do Brasil !
Não tinha negro nem vendendo água de coco !
E a Globo a divulgar números de manifestantes incompatíveis com a metragem quadrada do calçadão da Barra.
Pra botar aquele monte de gente da Globo ali, só dentro d'água.
Branco sozinho não derruba presidente no Brasil !
Se é por esse domingo que o PMDB vai saltar fora do barco.
Não vai.
(Saltar do barco de NOVOS ministerios, bem entendido ...)
Se saltar, é para tentar um golpe parlamentar, instalar o impeachment por meia hora - até a favela perceber - e fechar a Lava jato.
Porque se ficar aberta, o Temer morre (e o Wellington Moreira Franco, seu único escudeiro, vai junto).
Se a sobrevivência da Globo dependia dessa manifestação de hoje , 13/3, pode começar a fechar a banca e tentar arrumar comprador.
Como o Valdir Macedo nao se interessa, quem sabe os filhos do Roberto Marinho vendem à Netflix ou à Google Red ?
Enquanto os farofeiros não se apossam da praia da Jararaca.
Deu xabu no Golpe !
No Golpe de brancos, por brancos para brancos.
Como disse o Roberto Marinho, no livro "O Quarto Poder", ao seu diretor de jornalismo: "não quero preto nem desdentado no jornal nacional !"
Nem em passeata.
Qua qua qua !
Em tempo: leia a seguir os documentos das liderancas negras do Brasil, a nação mais negra do mundo, depois da Nigéria !

sexta-feira, 11 de março de 2016

POR: MANOEL FONSECA - O golpe está armado

Dr. Manoel Fonseca - Médico Sanitarista

        O golpe está armado 

A democracia está em perigo. Há um complô, semelhante a 1964, para destituir uma Presidenta legitimamente eleita, capitaneado pela Globo, agora com o respaldo do poder judiciário, pois as forças armadas mantêm-se legalistas. A prisão ilegal do Lula, orquestrada pelo Juiz Moro no dia 04 de março, foi abortada pela grande reação dos democratas e pela aeronáutica, que desautorizou e impediu o vôo da aeronave que transportaria Lula para Curitiba. Agora os procudarores de São Paulo pedem, numa coletiva, mais uma operação midiática, a prisão de Lula nas vésperas das manifestações de direita, para estimulá-las e reconstituir "a marcha da família" de 64, que respaldou os militares para dar o golpe e destituir o Presidente João Goulart. Os golpistas estão afoitos, não têm mais escrúpulos, pois contam com os meios de comunicação, a Globo no comando, secundada por Veja, Folha, Época, Isto é, para difundir o ódio a Lula e Dilma, repetir exaustivamente, com a tática semelhante a Goebels, político nazista e ministro de propaganda de Hitler, inverdades, até convencer a opinião pública, como aconteceu, de que os judeus eram inimigos da pátria e precisariam ser exterminados, como o foram no Holocausto. Lamentamos profundamente, nós que fomos presos políticos da ditadura militar, que alguns jovens que se dizem imparciais e/ou aqueles que se dizem apolíticos, mas afirmam ser patriotas, se iludam e embarquem no novo golpe, capitaneado pelo Psdb, Dem, Globo, Bolsonaro et caterva. O que está em jogo é a democracia. O que querem os mentores do golpe é ter as mãos livres para entregar o nosso petróleo e o pré-sal às companhias americanas, à frente a Chevron, é destruir o programa "Minha casa, minha vida", que favorece milhares de família a ter sua casa própria, é acabar com outros programas sociais, como prouni, Fies , universidade sem fronteira, "luz para todos", bolsa família "mais médicos", etc, pois não suportam ver o governo gastar dinheiro com pobre. O que querem é quebrar a autonomia e soberania do país, sair dos BRICS e do Mercosul, para alinhar nossa diplomacia aos interesses americanos, mais uma vez. O que querem é sufocar os movimentos sociais e impedir o avanço das políticas públicas rumo à redução das desigualdades sociais. Nos insurgimos contra mais um Golpe, como fez a nossa geração de 68 e vamos à luta, mais uma vez, em defesa da liberdade, da democracia e por uma sociedade justa e fraterna.

quarta-feira, 9 de março de 2016

POR: LEONARDO BOFF - DERROTADOS NAS URNAS QUEREM GANHAR PELO PODER E NÃO PELO DIREITO

 
Leonardo Boff

Publicado no Blog de Leonardo Boof, em 07/03/2016
No emaranhado das discussões atuais relativas à corrupção importa desocultar o que está oculto e que passa desapercebido aos olhos pouco críticos. O que está oculto? É a vontade persistente dos grupos dominantes que não aceitam a ascensão das massas populares aos bens mínimos da cidadania e que querem mantê-las onde sempre foram mantidas: na margem, como exército de reserva para seu serviço barato.
A investigação jurídico-policial dos crimes na Petrobrás que envolve grandes empreiteiras e o PT envolve também muitos outros partidos, como o PPS, o PMDB e o PSDB, beneficiados com subsídios e propinas para suas campanhas. Por que ela é conduzida de forma a se centrar unicamente nos membros do PT? O objetivo principal parece não ser a condenação dos malfeitos, que obviamente devem ser investigados, julgados e punidos. Mas o PT não está sozinho nesse imbróglio. A maioria dos grandes partidos estão metidos nele. Quem deles não recebeu milhões da Petrobrás e das empreiteiras para suas campanhas? Por que o Ministério Público, a Polícia Federal e o juiz Sergio Moro não os investiga já que pretende limpar o pais? Alguém desses candidatos vendeu sua casa de campo, seu sítio ou algum bem para financiar sua campanha milionária? Financiaram-se pelo caixa 2 ilegal mas tido como prática corrente na nossa democracia de baixíssima intensidade.
É ingênuo e enganador pensar que estas instâncias, inclusive os vários níveis da justiça nos seus mais altos escalões não venham imbuídos de intenções e de ideologia. Que nos digam os clássicos da ideologia como Jürgen Habermas e Michel Foucault que demonstraram não haver nenhum espaço social imune à interesses e por isso à presença da ideologia e que não seja movido por algum propósito. É próprio do discurso ocultador dos golpistas enfatizarem a completa independências destas instâncias e seu caráter de imparcialidade.  A realidade do passado e do presente revela bem outra coisa, especialmente quanto ao juiz Sergio Moro.
Um determinado propósito ideológico dos vários órgãos de poder vinculados ao poder policial, jurídico e de alguns das supremas cortes articulados com meios de comunicação privados de âmbito nacional, de reconhecido caráter conservador, quando não reacionário e antipopular, serviria de laço de ligação entre todos com a intenção de garantirem certo tipo de ordem que sempre os beneficiou e que agora com o PT e aliados foi posta em xeque.
Por que a tentativa sistemática de desmontar a figura de Lula, levado sob vara para depor na PF, depois de tê-lo feito antes por três vezes? É a vontade perversa de destruí-lo como referência para todos aqueles que veem nele o político vindo dos fundões de nosso país, sobrevivente da fome e que, finalmente, com seu carisma, galgou o centro do poder. Ele conferiu a coisa mais importante para uma pessoa: sua dignidade. O povo sempre era tido pelos donos do poder como Jeca-Tatu, plebe ignara e rebotalho. Sofrido, cansou de ver frustrada sua esperança de melhorias mínimas. A conciliação entre as classes, tônica de nossa sociedade política, sempre foi para aplainar o caminho dos grupos poderosos e negar benefícios ao povo. Com o PT houve uma inflexão neste lógica excludente.
Agora vem à tona o mesmo propósito das classes que não aceitaram que, um dia, foram apeadas do poder. Querem voltar a qualquer custo. Dão-se conta de que, pela via eleitoral não o conseguirão, por causa da mediocridade de seus líderes e por falta de qualquer projeto que devolva esperança ao povo, súcubos que são do poder imperial globalizado. Querem consegui-lo manipulando as leis, suscitando ódio e intolerância como nunca houve nesta proporção na nossa história. É a luta de classes, sim. Esse tema não é passado. Não é invenção. É um dado de realidade. Basta ver como se manifesta nas mídias sociais. Parece que a boca do inferno se abriu para o palavrão, para a falta de respeito, pela vontade de satanizar o outro.
A política não é feita de confronto de ideias, de projetos políticos e de leituras diferentes de nossa situação de crise que nã é só nossa mas do mundo. É algo mais perverso: é a vontade de destruir Lula, de liquidar o PT e colocá-lo contra o povo. Temem que Lula volte para completar as políticas que foram boas para as grandes maiorias e que lhe deram consciência e dignidade. O que os donos do poder mais temem é um povo que pensa. Querem-no ignorante para poder dominá-lo ideológica e politicamente e assim se garantir no privilégio.
Mas não o conseguirão. São tão obtusos e faltos de criatividade em sua fome de poder que usam as mesmas táticas de 1954 contra Vargas ou de 1964 contra Jango. Tratava-se sempre de deter os reclamos do povo por mais direitos, o que implicava a redução dos privilégios e uma melhora da democracia. Mas os tempos são outros. Não vão prosperar pois já há um acúmulo de consciência e de pressão popular que os levará à irrisão, não obstante seus porta-vozes mediáticos, verdadeiros “rola-bosta” que recolhem o que acham de ruim para continuarem a mentir, a distorcer, a inventar cenários dramáticos para desfalcar a esperança popular e assim alcançar seu retorno com a força e não com direito democrático. Porém “no, no pasaran”…
Leonardo Boff, não é filiado ao PT mas interessado nos destinos dos mais sofridos de nosso pátria que o PT ajudou a tirar da miséria.

segunda-feira, 7 de março de 2016

VIÑALES - CUBA

Viñales é uma área agrícola de Cuba, onde se cultiva frutas, verduras, café e especialmente tabaco. A pesca é também uma parte importante da economia da área.
A região de Viñales foi declarada desde 1976, Monumento Nacional, protegida pela constituição de Cuba. Pela UNESCO, Viñales foi declarada PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE.





















POR: VALTON MIRANDA - O ORÁCULO DE CURITIBA



                      Valton de Miranda Leitão
                      valtonmiranda@gmail.com
                      Psicanalista

                                                                   Publicado no Jornal "O POVO" em 06/03/2016

O clássico de Raymundo Faoro, “Os Donos do Poder”, é talvez a maior legitimação do liberalismo brasileiro. Tal visão mostra o Estado como sendo corrupto e vicioso, desde sua origem na Coroa Portuguesa. As maiores virtudes estão colocadas na iniciativa privada, ao lado da elite estamental que o bandeirantismo paulista teria consolidado.

A compreensão liberal burguesa não é nova, e Adam Smith já a havia colocado em 1776, tendo Max Weber ampliado sociologicamente com sua ética da prosperidade científica e da busca do prazer individual, sem muitas considerações afetivas.

O protestantismo ascético foi nos EUA o ingrediente cultural que mais catalisou o pensamento weberiano da busca de poder patrimonial e prestígio, baseados na disciplina e na ordem que a religião emprestava ao grande empresário.

O casamento entre religião e sociologia política, acontecido já na fundação do Estado norte-americano, sempre esteve presente no mundo, mesmo depois que a maioria dos países adotou constituições laicas. A cultura brasileira sempre idealizou a pujança econômica e a ordem política estadunidense como modelo a ser seguido sem nenhuma consideração pela sua histórica belicosidade, domínio militar de outros povos, terrorismo diplomático, espionagem e auxílio a todas as ditaduras alinhadas a Washington.

O liberalismo conservador brasileiro, fortemente vestido de roupagem religiosa, agora avança com força e se manifesta politicamente, afirmando-se como portador de uma ética radical que pretende extirpar a corrupção da vida nacional!

São Paulo é o centro de irradiação desta visão, mas também do que Jessé Souza chama de racismo culturalista, no qual negros e nordestinos são vistos como inferiores, do mesmo modo que os anglo-saxões consideram moral e cognitivamente incompetentes os latino-americanos.

O uso pelos donos do poder conservador direitista de setores da polícia, da política e do judiciário, turbinados pela grande imprensa não é novidade no Brasil, quando o objetivo é destruir avanços sociais das classes desprivilegiadas para manter privilégios injustos. Nessas circunstâncias, incrementa-se o ódio da classe média e busca-se um bode expiatório, fazendo da corrupção o bordão, tornando bancos e mercados, paradigmas de honestidade e quase santidade.

As campanhas virulentas contra Vargas e JK, no passado recente, foram exatamente do mesmo tipo, levando o primeiro ao suicídio e o segundo a uma morte não esclarecida.

A destruição do maior líder popular que o País já conheceu, Lula, encobre o plano mais amplo de destruir o conjunto da esquerda, impedindo inclusive sua influência nos processos eleitorais de 2016-18. Os doutos jurisconsultos constituíram um verdadeiro oráculo, que não é em Delfos, mas em Curitiba, e suas arrasadoras condenações antes do julgamento, são pronunciadas pela boca de delatores “alcaguetes”, que se desmentem uns aos outros para que no final o sumo sacerdote, juiz togado, pronuncie o veredicto (verdade absoluta)!

A construção artificiosa da verdade é negação da ética.