Google+ Followers

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

A VÊNUS DE VILLENDORF

Vênus de Tan-Tan
Venus_vom_Hohlen_Fels_Original
Venus_of_Brassempouy



Vênus de Lespug - cópia


Vênus de Villendorf

          A VÊNUS DE VILLENDORF 

O dia era 26 de outubro de 2016 da era cristã. 
Naquela quarta-feira, saí de casa logo depois do almoço em busca de mais uma aula do curso de Artes Visuais, promovido pela UNIFOR. 
Cheguei 40 minutos antes da hora marcada e fui fotografar algumas obras de arte, expostas no Espaço Cultural da Universidade, pertencentes ao acervo do Chanceler Airton Queiroz. De repente, lembrei-me que a professora Paula havia dito que a aula seria na biblioteca e saí quase correndo para não me atrasar 
Fomos para a sala de projeção da Unifor. Para mim foi uma grata surpresa quando um documentário sobre a história da arte, através do corpo humano, rompeu na telinha. 
Mais surpresa fiquei quando o documentarista nos apresentou a Vênus de Villendorf. 
Conhecida também como a mulher de Willendorf,  a Vênus é uma estatueta de 11,1 cm de altura que foi descoberta no sítio arqueológico do paleolítico, no vale do Danúbio, em Willendorf, na Áustria.  
O arqueólogo Josef Szombathy, no dia 8 de agosto de 1908, entrou para história da arte, quando desenterrou a estatueta esculpida em calcário oolítico, há aproximadamente 24.000 anos, quando o ser humano era nômade. 
 A vênus de Villendorf  é uma figura feminina com vulva, mamas e abdome extremamente volumosos. Há uma forte relação da estatueta com a fertilidade.  Os braços são quase imperceptíveis, a cabeça é coberta com rolos de trança  deixando a face invisível e os pés não são esculpidos. Provavelmente a vênus era um amuleto 
Sua aparência gerou controvérsias no meio científico. Para alguns a vênus foi identificada como a deusa Mãe-Terra; para outros, a corpulência evidenciava status social em uma sociedade caçadora e coletora; para outros, ainda, a imagem era uma referência a fertilidade e símbolo de sucesso e segurança.  Atualmente, a Vênus está no Museu de História Natural de Viena fascinando os visitantes com seus mistérios milenares.   
Seguindo a máxima de Sócrates: "ipse se nihil scire id unum sciat", "Sei que nada sei", fui pesquisar na WEB sobre a referida estatueta. Descobri que  a primeira representação de uma mulher do Paleolítico Superior foi descoberta, em 1864, pelo Marquês de Vibraye, em Laugerie-Basse, na França. Apelidada de Vênus impudica, não tem cabeça, pés ou braços e apresenta uma grande abertura vaginal. Em 1894, foram encontrados pequenos bustos, de 22.000 anos, em uma caverna dos Pirineus, na França. Nascia a Vênus de Brassempouy. 
Depois da nus de Willendorf, encontrada em 1908, cerca de 200 figuras semelhantes foram encontradas desde os Pirineus até as planícies da Sibéria.   
Algumas merecem destaqueVênus de Hohle Fels, de 35.000 anos, descoberta na Alemanha, em 2008Vênus de Dolni Vestonice, de 29.000 a 25.000 anos, descoberta na República Checa, em 1925; Vênus de Kostenki, de 30.000 a 15.000 anos, descoberta na Rússia, em 1967; Vênus de Savignano, sem data precisa, descoberta na Itália, em 1925; Vênus de Tan-Tan, de 200.000 e 300.000 anos, contemporânea do Homo Heidelbergensisdescoberta no Marrocos, em 1999  
Todas foram batizadas de Vênus para homenagear a deusa do amor e da beleza da mitologia. 
A Vênus de Milo, do século II a.C., estátua da Grécia Antiga, que atrai multidões ao museu do Louvre-Paris, foi encontrada, em 1820, na ilha de Milo.  
predomínio das imagens femininas, no Período Paleolítico, sobre imagens masculinas nos deixa a pensar que as mulheres desempenhavam papel preponderante naquelas sociedades. Teria havido uma sociedade matriarcal? Ou essas estatuetas nos mostram que a divindade mais importante era feminina e seria a grande mãe, a Mãe-Terra? 
Fica a indagação !

Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg 
Fortaleza, 28/10/2016 



8 comentários:

  1. Parabéns pelo artigo.
    Para destacar as partes do corpo feminino relacionadas com a reprodução, o anônimo caçador-coletor-escultor carregou a mão no calcário.
    http://blogdopg.blogspot.com.br/2015/11/beleza-paleolitica.html

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Paulo! É impressionante o tamanho das mamas. Como nesta época o ser humano era nômade,
    as estátuas tinham que ser pequenas pra serem transportadas.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, Ana, pela elegância e propriedade como aborda o tema. Não sou da área, mas me encantei. Me fez pensar no quanto você teria a contribuir para a formação de outras gerações de historiadores. "Fica a sugestão.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, Ana, por compartilhar conosco seus conhecimento e nos enriquecer com eles! Adorei o texto.
    Regina

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Denice! Apesar de não ser professora formal, acredito que possa dar uma contribuição com meus escritos.

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Regina! Pelo visto, o texto agradou. Hoje pela manhã, quando senti a inspiração para escrever esse texto corri para o computador. Já havia feito a pesquisa ontem. Quando abri o Word apareceu uma janela dizendo que havia um problema. Fiquei angustiada. O meu Word não é pirata. Mandei mensagem para o Daniel me socorrer. Com ajuda dele consegui contornar o problema. Quase perdia a inspiração.

    ResponderExcluir
  7. Belo texto Ana.
    Também pensei como vc. Diante de tantas imagens de Vênus , parece ter havido um tempo em que a figura feminina foi preponderante e quem sabe mesmo numa sociedade matriarcal.
    Obrigada por compartilhar os conhecimentos

    ResponderExcluir
  8. De nada, Ângela! Acho possível ter havido uma sociedade matriarcal. Alguns historiadores defendem essa hipótese.

    ResponderExcluir