Google+ Followers

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

LUA SANGRENTA - 27/09/2015



Eclipse lunar visto da Avenida Rogaciano Leite. - Fortaleza-CE  - 27/09/2015
Sequestrei a lua, antes que ela fosse investigada, processada e presa pela justiça brasileira. 
Chiquinha Gonzaga jovem
Chiquinha Gonzaga

LUA BRANCA
                             Chiquinha aGonzaga

Oh, lua branca de fulgores e de encanto
Se é verdade que ao amor tu dás abrigo
Vem tirar dos olhos meus o pranto

Ai, vem matar essa paixão que anda comigo
Oh, por quem és desce do céu, oh lua branca
Essa amargura do meu peito, oh, vem, arranca

Dá-me o luar de tua compaixão
Oh, vem, por Deus, iluminar meu coração
E quantas vezes lá no céu me aparecias

A brilhar em noite calma e constelada
E em tua luz então me surpreendias
Ajoelhado junto aos pés da minha amada

E ela a chorar, a soluçar, cheia de pejo
Vinha em seus lábios me ofertar um doce beijo
Ela partiu, me abandonou assim

Ó, lua branca, por quem és, tem dó de mim

LUA JANA

Eclipse Lunar - Lua Sangrenta  
Avenida Rogaciano Leite - Fortaleza - 27/09/2015  
Foto - Jana Arruda

Meu nome é Jana, só Jana. Não sou Janaína. 
Um dia, na espera do elevador do prédio onde morei, no bairro de Fátima, por volta dos meus 16 anos, uma mulher me falou que Jana significa Lua em uma língua indígena. Pronto! Me fez sonhar ser a Lua, inconstante em suas fases, inspiração dos poetas, amante dos apaixonados...
Hoje olhei pro ceu e vi a Lua se vestir de vermelho, me convidando para, mais uma vez, sentir essa ilusão sem igual, de achar que sou eu, a Lua.



Jana Arruda

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

ADEUS AO DR. ALFREDO CÃNETE - MÉDICO CUBANO EM MISSÃO NO BRASIL



Cubano do Mais Médicos morre de infarto em Morada Nova, no Ceará

Um médico cubano de 41 que atuava pelo programa Mais Médicos no interior do Ceará, morreu nesta quinta-feira (24) de causas naturais; em nota, a Secretaria de Saúde de Morada Nova diz que Alfredo Cañete foi vítima de um infarto.

Alfredo Cañete trabalhava há um ano no distrito de Boa Água, na zona rural de Morada Nova. O corpo do servidor será velado na Gunerária Anjo da Guarda, no Centro do município, na tarde desta quinta-feira.

Ainda de acordo com a Prefeitura de Morada Nova, após o velório, o corpo de Alfredo será levado a Fortaleza, onde será embalsamado para o traslado para Cuba. A família da vítima já foi informada sobre a morte, segundo a Secretaria Municipal da Saúde.

Por conta da morte do médico, a Secretaria da Saúde decretou luto nesta quinta-feira, e os postos de saúde não funcionam durante a tarde. As atividades retornam ao funcionamento normal nesta sexta, mas sem a presença dos conterrâneos cubanos.


Nossa solidariedade aos familiares deste médico cubano, Dr. Alfredo Cânete, que estava no Brasil em missão tão nobre e faleceu, ontem, dia 24/09/2015 de Infarto do Miocárdio, em Morada Nova. Em nome do grupo " Movimento dos Médicos Progressistas Cearenses" externo aqui nosso sincero reconhecimento e gratidão perene.
Descanse em PAZ, Dr. Alfredo.

domingo, 6 de setembro de 2015

DROGA E CORRUPÇÃO EM MINAS GERAIS


POR: MAURO SANTAYANA - O PATO E A GALINHA

Por que a Europa está diante da maior crise humanitária do século

Depois de ajudar a invadir e destruir países; equipar terroristas que deram origem ao EI; apoiado o engodo da Primavera Árabe; a Europa colhe o que plantou
 Embora não o admita – principalmente os países que participaram diretamente dessa sangrenta imbecilidade – a Europa de hoje, nunca antes sitiada por tantos estrangeiros, desde pelo menos os tempos da queda de Roma e das invasões bárbaras, não está colhendo mais do que plantou, ao secundar a política norte-americana de intervenção, no Oriente Médio e no Norte da África.
Não tivesse ajudado a invadir, destruir, vilipendiar, países como o Iraque, a Líbia, e a Síria; não tivesse equipado, com armas e veículos, por meio de suas agências de espionagem, os terroristas que deram origem ao Estado Islâmico, para que estes combatessem Kadafi e Bashar Al Assad, não tivesse ajudado a criar o gigantesco engodo da Primavera Árabe, prometendo paz, liberdade e prosperidade, a quem depois só se deu fome, destruição e guerra, estupros, doenças e morte, nas areias do deserto, entre as pedras das montanhas, no profundo e escuro túmulo das águas do Mediterrâneo, a Europa não estaria, agora, às voltas com a maior crise humanitária deste século, só comparável, na história recente, aos grandes deslocamentos humanos que ocorreram no fim da Segunda Guerra Mundial.
Lépidos e fagueiros, os Estados Unidos, os maiores responsáveis pela situação, sequer cogitam receber - e nisso deveriam estar sendo cobrados pelos europeus - parte das centenas de milhares de refugiados que criaram, com sua desastrada e estúpida doutrina de "guerra ao terror", de substituir, paradoxalmente, governos estáveis por terroristas, inaugurada pelo "pequeno" Bush, depois do controvertido atentado às Torres Gêmeas.
Depois que os imigrantes forem distribuídos, e se incrustarem, em guetos, ou forem - ao menos parte deles - integrados, em longo e doloroso processo, que deverá durar décadas, aos países que os acolherem, a Europa nunca mais será a mesma.
Por enquanto, continuarão chegando à suas fronteiras, desembarcando em suas praias, invadindo seus trens, escalando suas montanhas, todas as semanas, milhares de pessoas, que, cavando buracos, e enfrentando jatos de água, cassetetes e gás lacrimogêneo, não tendo mais bagagem que o seu sangue e o seu futuro, reunidos nos corpos de seus de seus filhos, irão cobrar seu quinhão de esperança e de destino, e a sua parte da primavera, de um continente privilegiado, que para chegar aonde chegou, fartou-se de explorar as mais variadas regiões do mundo.
É cedo para dizer quais serão as consequências do Grande Êxodo. Pessoalmente, vemos toda miscigenação como bem-vinda, uma injeção de sangue novo em um continente conservador, demograficamente moribundo, e envelhecido.
Mas é difícil acreditar que uma nova Europa homogênea, solidária, universal e próspera, emergirá no futuro de tudo isso, quando os novos imigrantes chegam em momento de grande ascensão da extrema-direita e do fascismo, e neonazistas cercam e incendeiam, latindo urros hitleristas, abrigos com mulheres e crianças.
Se, no lugar de seguir os EUA, em sua política imperial em países agora devastados, como a Líbia e a Síria, ou sob disfarçadas ditaduras, como o Egito, a Europa tivesse aplicado o que gastou em armas no Norte da África e em lugares como o Afeganistão, investindo em fábricas nesses mesmos países ou em linhas de crédito que pudessem gerar empregos para os africanos antes que eles precisassem se lançar, desesperadamente, à travessia do Mediterrâneo, apostando na paz e não na guerra, o velho continente não estaria enfrentando os problemas que enfrenta agora, o mar que o banha ao sul não estaria coalhado de cadáveres, e não existiria o Estado Islâmico.
Que isso sirva de lição a uma União Europeia que insiste, por meio da OTAN e nos foros multilaterais, em continuar sendo tropa auxiliar dos EUA na guerra e na diplomacia, para que os mesmos erros que se cometeram ao sul, não se repitam ao Leste, com o estímulo a um conflito com a Rússia pela Ucrânia, que pode provocar um novo êxodo maciço em uma segunda frente migratória, que irá multiplicar os problemas, o caos e os desafios que está enfrentando agora.
As desventuras das autoridades europeias, e o caos humanitário que se instala em suas cidades, em lugares como a Estação Keleti Pu, em Budapeste, e a entrada do Eurotúnel, na França, mostram que a História não tolera equívocos, principalmente quando estes se baseiam no preconceito e na arrogância, cobrando rapidamente a fatura daqueles que os cometeram.
Galinha que acompanha pato acaba morrendo afogada.
É isso que Bruxelas e a UE precisam aprender com relação a Washington e aos EUA.
Fonte: http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2015/09/por-que-a-europa-esta-diante-da-maior-crise-humanitaria-do-seculo-1448.html


por Mauro Santayana publicado 03/09/2015 18:14
Comments