Google+ Followers

sábado, 27 de julho de 2013

LANÇAMENTO DO LIVRO DE LÚCIA ARRUDA - RISOS E LÁGRIMAS EM BETÂNIA


Hoje, dia 27 de julho de 2013, aconteceu a manhã de autógrafos na Livraria Paulus, em Fortaleza-CE, do livro  "RISOS E LÁGRIMAS EM BETÂNIA", da escritora Lúcia Arruda. 
Editado pela Paulus, o referido livro, que trata da amizade na vida de Jesus,  foi apresentado pelo escritor e advogado Carduci Pereira.  
Contando com a presença do Padre Luiz Furtado, de familiares e amigos, a autora falou de seu livro com grande entusiasmo.
Parabéns para a Ir. Lúcia com votos de que "RISOS E LÁGRIMAS EM BETÂNIA" siga o trajeto do seu primeiro livro " MULHERES NA VIDA DE JESUS".
Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg
Fortaleza, 27 de julho de 2013


Ir. Lúcia


Sr. Carduci Pereira









sexta-feira, 26 de julho de 2013

POR: RAQUEL DE QUEIROZ - A ARTE DE SER AVÓ.

Raquel de Queiroz

Em homenagem ao dia da avó - 26 de julho

 A ARTE DE SER AVÓ

Netos são como heranças: você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente lhe caem do céu. É, como dizem os ingleses, um ato de Deus. Sem se passarem as penas do amor, sem os compromissos do matrimônio, sem as dores da maternidade. E não se trata de um filho apenas suposto, como o filho adotado: o neto é realmente o sangue do seu sangue, filho de filho, mais filho que o filho mesmo...

Quarenta anos, quarenta e cinco... Você sente, obscuramente, nos seus ossos, que o tempo passou mais depressa do que esperava. Não lhe incomoda envelhecer, é claro. A velhice tem as suas alegrias, as suas compensações - todos dizem isso embora você, pessoalmente, ainda não as tenha descoberto - mas acredita.

No entanto - no entanto! - nem tudo são flores no caminho da avó. Há, acima de tudo, o entrave maior, a grande rival: a mãe. Não importa que ela, em si, seja sua filha. Não deixa por isso de ser a mãe do garoto. Não importa que ela, hipocritamente, ensine o menino a lhe dar beijos e a lhe chamar de "vovozinha", e lhe conte que de noite, às vezes, ele de repente acorda e pergunta por você. A mãe tem todas as vantagens da domesticidade e da presença constante. Dorme com ele, dá-lhe de comer, dá-lhe banho, veste-o. Embala-o de noite. Contra si tem a fadiga da rotina, a obrigação de educar e o ônus de castigar.

Já a avó, não tem direitos legais, mas oferece a sedução do romance e do imprevisto. Mora em outra casa. Traz presentes.
Faz coisas não programadas. Leva a passear, "não ralha nunca". Deixa lambuzar de pirulitos. Não tem a menor pretensão pedagógica. É a confidente das horas de ressentimento, o último recurso nos momentos de opressão, a secreta aliada nas crises de rebeldia.


Uma noite passada em sua casa é uma deliciosa fuga à rotina, tem todos os encantos de uma aventura. Lá não há linha divisória entre o proibido e o permitido, antes uma maravilhosa subversão da disciplina. Dormir sem lavar as mãos, recusar a sopa e comer roquetes, tomar café - café! -, mexer no armário da louça, fazer trem com as cadeiras da sala, destruir revistas, derramar a água do gato, acender e apagar a luz elétrica mil vezes se quiser - e até fingir que está discando o telefone. Riscar a parede com o lápis dizendo que foi sem querer - e ser acreditado! Fazer má-criação aos gritos e, em vez de apanhar, ir para os braços da avó, e de lá escutar os debates sobre os perigos e os erros da educação moderna...

E quando você vai embalar o menino e ele, tonto de sono, abre um olho, lhe reconhece, sorri e diz: "Vó!", seu coração estala de felicidade, como pão ao forno.

E o misterioso entendimento que há entre avó e neto, na hora em que a mãe o castiga, e ele olha para você, sabendo que se você não ousa intervir abertamente, pelo menos lhe dá sua incondicional cumplicidade...

Até as coisas negativas se viram em alegrias quando se intrometem entre avó e neto: o bibelô de estimação que se quebrou porque o menininho - involuntariamente! - bateu com a bola nele. Está quebrado e remendado, mas enriquecido com preciosas recordações: os cacos na mãozinha, os olhos arregalados, o beiço pronto para o choro; e depois o sorriso malandro e aliviado porque "ninguém" se zangou, o culpado foi a bola mesma, não foi, Vó? Era um simples boneco que custou caro. Hoje é relíquia: não tem dinheiro que pague...

terça-feira, 23 de julho de 2013

WELLINGTON ALVES NO INSTITUTO HISTÓRICO DO CEARÁ

 
Dr. Wellington Alves - Médico e Membro da SOBRAMES-CE

Ontem, dia 22 de julho de 2013, às 15h, no Instituto Histórico, Geográfico e Antropológico do Ceará, o Dr.  Wellington Alves, médico e membro da SOBRAMES-CE, fez uma conferência com o seguinte tema: "PADRE CÍCERO - atuação histórica e permanência no imaginário popular". 
A mesa foi conduzida pelo Presidente Ednilo Soarez e o conferencista foi apresentado pelo
Secretário Juarez Leitão. 
Com grande participação, o tema despertou um interessante debate, após a apresentação do conferencista.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

REUNIÃO DA FCAA - 20 DE JULHO DE 2013

 

REUNIÃO DA FCAA - 2O DE JULHO DE 2013

ATA RESUMIDA 
 

No dia 20 de julho de 2013, às 17h, reuniram-se no restaurante Novo Fogão, em Fortaleza-CE, os seguintes membros da Fundação Comendador Ananias Arruda: Raimundo Luiz Furtado de Arruda (Presidente da FCAA), Claudia Lima Arruda, Teresa Arruda Lima, Beatriz de Melo Arruda, Eurico Távora Arruda, Regina Arruda Bastos Machado, Fátima Germano Arruda, Andrea Arruda Lima, Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg e Tereza Regina Arruda Zamith. O presidente da Fundação, Raimundo Luiz, deu inicio a reunião solicitando que fosse feita a oração inicial. Após a mesma, que foi conduzida pela Claudia, foi lida a ata da reunião anterior. Foi dada as boas-vindas à Fátima Arruda, representante do família Germano Arruda. Em seguida, entrou em pauta a atualização de um movimento reivindicatório da restauração de um monumento histórico na cidade de Baturité-CE, destruído pela administração passada daquele município. O referido monumento era um marco histórico do centenário de Baturité, erigido em 9 de agosto de 1959, na praça Santa Luzia. Dando continuidade, entrou em pauta o VI Bingo da amizade.  Não houve alteração da distribuição dos comes e bebes entre as famílias. A saber: FAMÍLIA FURTADO ARRUDA - ARROZ E CREME DE GALINHA; FAMÍLIA ARRUDA BRAGA - ARROZ E VATAPÁ; FAMÍLIA ARRUDA LIMA - SALPICÃO; FAMÍLIA CARVALHO ARRUDA - SOBREMESA; FAMÍLIA GERMANO ARRUDA - SOBREMESA, TIA JUCA - MUCUNZÁ; FAMÍLIA MELO ARRUDA - ARROZ DOCE. Ficou definido que cada família levará 2 garrafas de 2 litros de refrigerante e uma prenda. Serão vendidos: prato salgado R$3,00, prato doce R$2,00 e 1 copo de refrigerante R$1,00. A entrada para o bingo custará R$5,00 com direito a 5 cartelas do bingo. A data do mesmo será no dia 24 de agosto de 2013, sábado, às 17h, na residência de Teresa Arruda Lima. Para finalizar a reunião, foram distribuídos mais alguns convites do lançamento do livro da Ir. Lúcia "Risos e Lágrimas em Betânia" que será no dia 27 de julho, sábado, às 19h, na livraria Paulus, em Fortaleza-CE. Sem mais nada a ser tratado, foi encerrada a reunião ficando a próxima para o dia  3 de agosto de 2013, no Restaurante Novo Fogão.



Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg

sábado, 20 de julho de 2013

REUNIÃO DA FCAA- 29 de junho de 2013

 
MEMBROS DA FCAA REUNIDOS NA RESIDÊNCIA DA REGINA&HENRIQUE, NO DIA 29 DE JUNHO DE 2013

REUNIÃO DA FCAA - 29 DE JUNHO DE 2013

ATA RESUMIDA 
 

No dia 29 de junho de 2013, às 17h, reuniram-se na residência de Regina Arruda Bastos Machado e Henrique Machado os seguintes membros da Fundação Comendador Ananias Arruda: Raimundo Luiz Furtado de Arruda (Presidente da FCAA), Claudia Lima Arruda, Teresa Arruda Lima, Edna Maria Furtado Arruda, Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg, Tereza Regina Arruda Zamith, Juliana Arruda Zamith e Francisco Luiz Bezerra. O presidente da Fundação, Raimundo Luiz, deu inicio a reunião solicitando que fosse feita a oração inicial. Após a mesma, que foi conduzida pela Claudia, foi lida a ata da reunião anterior, por mim.  Em seguida, entrou na pauta, o Bingo Junino.  Ficou definida da seguinte maneira a distribuição dos comes e bebes entre as famílias: FAMÍLIA FURTADO ARRUDA - ARROZ E CREME DE GALINHA; FAMÍLIA ARRUDA BRAGA - ARROZ E VATAPÁ; FAMÍLIA ARRUDA LIMA - SALPICÃO; FAMÍLIA CARVALHO ARRUDA - SOBREMESA; FAMÍLIA GERMANO ARRUDA - SOBREMESA, TIA JUCA - MUCUNZÁ; FAMÍLIA MELO ARRUDA - ARROZ DOCE. Ficou definido que cada família levará 2 garrafas de 2 litros de refrigerante e uma prenda. Por ocasião do bingo, ficou definido os seguintes preços: prato salgado R$3,00, prato doce R$2,00 e 1 copo de refrigerante R$1,00. Cada cartela do bingo R$1,00. A data ficou para ser definida posteriormente. Foram distribuídos os convites do lançamento do livro da Ir. Lúcia "Risos e Lágrimas em Betânia" que será no dia 27 de julho, sábado, às 19h, na livraria Paulus, em Fortaleza. Sem mais nada a ser tratado foi encerrada a reunião ficando a próxima para o dia 13 de julho de 2013.

Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg

sexta-feira, 12 de julho de 2013

LANÇAMENTO DA REVISTA "LITERAPIA"

Ontem, dia 11/07/2013, às 19h, no Ideal Club, em Fortaleza-CE, ocorreu o lançamento de mais um número da revista "Literapia" - Uma revista de escritores cearenses, nº21 - jul/2012. 
O Dr. Pedro Henrique Saraiva Leão, editor da Revista, assim falou na noite de ontem: "LITERAPIA, sempre estampou na capa uma mulher lendo, pois para mim são as duas coisas melhores do mundo". 
Neste número, LITERAPIA estampa a seguinte tela:  ALMEIDA JUNIOR - A leitura - Óleo sobre tela - 41x95 - 1892 - Pinacoteca de São Paulo. 
A apresentação da revista foi feita de uma maneira singular pelo Dr. José Teles da Silva que, também, faz parte do seu Conselho Editorial.  

Parabéns ao editor, Dr. Pedro Henrique Saraiva Leão, que nos brinda com mais uma pérola de nossa literatura.
Flashes do evento
Exemplares da Revista Literapia
Dr. José Teles e Dr. Pedro Henrique Saraiva Leão


Ana Margarida Arruda Rosemberg

Dr. Pedro Henrique ao lado do filho e esposa do Dr. Airton Ferro


Apresentação da Literapia

quinta-feira, 11 de julho de 2013

INSTITUTO CLEMENTE FERREIRA (SÃO PAULO-SP) - 100 ANOS DE HISTÓRIA (1913-2013)

Ontem, dia 10 de julho de 2013, o Instituto Clemente Ferreira de São Paulo, baluarte da luta contra a tuberculose na Brasil, completou um século de existência. Para marcar a data, transcrevo os acontecimentos do dia de sua inauguração, através do texto retirado de minha dissertação de mestrado em História Social:   “Guerra à Peste Branca – Clemente Ferreira e a Luta Contra a Tuberculose”. PUC-SP  - 2008.

Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg




Em 1913, no dia 10 de julho, foi inaugurada à Rua da Consolação a nova sede do dispensário Clemente Ferreira com o nome de Dispensário-Modêlo “Clemente Ferreira”. Compareceram à cerimônia solene o Dr. Altino Arantes, Secretário do Interior; o Dr. Emílio Ribas, Diretor do Serviço Sanitário; o Deputado Washington Luis; representantes do Presidente do Estado, do Prefeito Municipal, do Secretário da Justiça, do Arcebispo e do Conselho Municipal e grande número de médicos e populares. O Presidente da Liga e do Dispensário, Clemente Ferreira, proferiu discurso agradecendo, em nome da Liga, aos representantes do Estado pela presença e pelo apoio material dado para a construção do mesmo, mas deixou claro que ainda estavam no prefácio de uma luta que necessitava de novos armamentos e da coadjuvação do Estado.[1]

            A imprensa deu grande cobertura ao acontecimento divulgando a solenidade de inauguração e falando do prédio que colocava São Paulo no mesmo patamar dos países europeus e norte-americanos. O jornal Correio Paulistano, assim, noticiou: 

Dez de julho de 1913 veio assinalar mais uma brilhante vitória para o glorioso apostolado do ilustre clínico Sr. Dr. Clemente Ferreira, que há anos tem movido um combate sem tréguas a uma das mais terríveis moléstias que flagelam a humanidade. (...) Ontem efetuou-se a inauguração oficial do novo prédio do Dispensário, situado na Rua da Consolação, nº. 117.[2]



            O novo dispensário foi batizado com o nome de Dispensário-Modêlo, por possuir a concepção de espaço do pensamento científico higienista e por sua ousada arquitetura nada ficar a dever a dos dispensários europeus.  O prédio, circulado por um amplo espaço ajardinado, possuía dois pavimentos. Suas instalações eram assim constituídas: No segundo andar encontravam-se: sala de conferências, sala das damas paulistas da “Obra de Preservação dos Filhos de Tuberculosos Pobres”, sala do diretor, biblioteca, arquivo e secretaria. O primeiro andar, bem mais amplo, possuía: duas salas de espera para os doentes tuberculosos (uma aberta e a outra fechada), gabinete de hematologia e de análises clinicas, gabinete de bacterioscopia clínica, salas de consultas abertas e fechadas, gabinete de otorrinolaringologia, sala de aeroterapia e ginástica pulmonar, gabinete de radiologia, gabinete para pequenas operações, toilletes, gabinete de inscrição dos doentes, sala de entrega de alimentos, farmácia e laboratório farmacêutico. No térreo encontravam-se: caldeiras para desinfecção diária das escarradeiras, museu, sala de fotografia, sala de esterilização de leite, almoxarifado, rouparia e quatro compartimentos para instalações hidroterápicas. No centro havia um pátio com um solarium para tratamento dos tuberculosos e, nas paredes da entrada de todos os compartimentos, cartazes mostrando ensinando higiênicas para prevenir a doença.[3] No hall da entrada principal foi colocada uma placa de mármore com os seguintes dizeres:


Dispensário-Modêlo Clemente Ferreira


Este Estabelecimento, destinado à assistência Hygienica e ao tratamento dos tuberculosos pobres, foi iniciado e concluído durante o mandato administrativo da seguinte diretoria:
Presidente – Dr. Clemente da Cunha Ferreira; 1º. Vice-Presidente – Dr. Victor Godinho; 2º. Vice- Presidente – Dr. Saturnino Simplicio de Salles Veiga; 3º. Vice- Presidente – Dr. Francisco de Paula de Abreu Sodré; Secretário Geral – Dr. Henrique Coelho; 1º. Secretário – Dr. Américo Brasiliense de Almeida Mello; 2º. Secretário – Dr. Remízio Gomes Guimarães; Thesoureiro – Comendador Joaquim d´Abreu de Lima Pereira Coutinho; Procurador – Tenente Coronel José de Amorim Lima. [4]


Quatro bustos de bronze,[5] além de uma placa com o nome da Liga, ornamentavam sua fachada. Sobre esses bustos, Clemente Ferreira, assim, se referiu no discurso que fez na inauguração do Dispensário:

Os bustos de bronze simbolizam quatro fases memoráveis na história da tuberculose, na evolução dos conhecimentos, no desdobrar dos estudos e investigações sobre a patologia, a profilaxia e a terapêutica da moléstia. Um representa o genial Laennec, o venerando descobridor da escuta mediata, a quem visceralmente se prende o inicio do progresso, do aperfeiçoamento da técnica da diagnose física do mal (...); o outro busto personifica o sábio Villemin, o eminente investigador e proficiente demonstrador da contagiosidade do terrível morbo que, desde os seus incomparáveis estudos e pesquizas, ficou conhecido em seu caráter de transmissibilidade, assentando-se assim as fundações de uma higiene profilática. O terceiro busto perpetua a figura do insigne Koch, o emérito descobridor do bacilo – o motor patogênico da moléstia, o qual isolado e cultivado desde esta data – 1882-, desvendou todos os mistérios da etiologia do mal (...). Finalmente, ao quarto busto do único sobrevivente – o sr. dr. Philip – de Edimburgo, - cabem a imperecível gloria e o irredutível mérito da fundação dos dispensários antituberculosos, que marca a fase pratica do combate ao flagelo popular, a era eficiente do movimento educativo da opinião publica, do ensino preventivo e da assistência higiênica dos tuberculosos necessitados e suas famílias. A colocação de taes bustos representa, portanto, a consagração, a comemoração dos méritos e dos serviços dos insignes cientistas à medicina e à sociedade, e constitue um gesto expressivo de justiça histórica.[6]



                                      Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg



[1]  FEREIRA, Clemente. Discursos e Conferências... Op. cit., pp. 102-103.


[2]  Jornal Correio Paulistano, 11 de julho de 1913.



[3]  Jornal Correio Brasiliense, 11 de julho de 1913.


[4]  Esta placa ainda continua na mesma localização. Ela não tem data, mas é da época da inauguração do prédio - 10 de julho de 1913.


[5]  Os quatros bustos ainda hoje estão lá, mas no pátio interno onde funcionava um solarium para o tratamento dos tuberculosos, pela helioterapia.




[6]  FERREIRA, Clemente. Discurso pronunciado por ocasião do ato da inauguração do dispensario-modêlo “Clemente Ferreira”, da Liga Paulista contra a Tuberculose, à Rua da Consolação, a 10 de Julho de 1913.  In: FERREIRA, Clemente. Discursos e Conferencias... Op. cit., pp. 106-107.

SESSÃO ORDINÁRIA DA ACADEMIA CEARENSE DE MEDICINA (ACM) - 10 DE JULHO DE 2013

Ontem, 10 de julho de 2013, às 15:30h, no auditório da Pró-Reitoria de Extensão da UFC, em Fortaleza-CE, ocorreu mais uma sessão ordinária da ACM. O presidente da ACM, o Acadêmico João Pompeu Randal, abriu a sessão dando as boas vindas. Após, o Acadêmico Marcelo Gurgel  fez uma homenagem ao Acadêmico Oswaldo de Oliveira Riedel pela passagem de seu primeiro centenário de nascimento. Em seguida, tivemos a palestra do Acadêmico Sebastião Diógenes Pinheiro com o seguinte tema: "O SERVIÇO DE SAÚDE AUDITIVA DO HUVC-UFC". Parabéns aos Acadêmicos Marcelo Gurgel e Sebastião Diógenes. 

O Acadêmico Marcelo Gurgel homenageando Oswaldo Riedel


O Acadêmico Sebastião  Diógenes palestrando

O Acadêmico Sebastião Diógenes recebendo o diploma da Dra. Ana Margarida

Foto Panorâmica

sábado, 6 de julho de 2013

CONVITE LANÇAMENTO DO LIVRO "RISOS E LÁGRIMAS EM BETÂNIA" DE LÚCIA ARRUDA

 
CAPA DO LIVRO

Sinopse

  O lar de Marta, Lázaro e Maria, em Betânia, era o lugar onde Jesus costumava hospedar-se, durante suas atividades missionárias em Jerusalém e em seus arredores. Ali ele se sentia profundamente acolhido e amado por amigos féis e verdadeiros. Neste livro, a autora recria, em forma de romance, a história dessa amizade. Numa mescla de realidade e ficção, espiritualidade e poesia, um Jesus extraordinariamente humano emerge destas páginas. Suas alegrias e tristezas, aqui retratadas, manifestam a sensibilidade e a delicadeza de seu coração terno e compassivo. Com pesquisa atualizada sobre o contexto da época, Risos e lágrimas em Betânia informa e instrui e, ao mesmo tempo, nos põe em contato com um tema que é eterno: os amigos e a verdadeira amizade.

Detalhes do Produto

Autor(a): Lúcia F. Arruda
Catálogo: Pastoral, catequese e liturgia
Assunto: Amizade/Bíblia
Coleção: Narrativa
Idioma: Português
Editora: Editora Paulus
ISBN: 9788534936552

Fonte:  http://www.paulus.com.br/

sexta-feira, 5 de julho de 2013

O MARCO HISTÓRICO DO CENTENÁRIO DE BATURITÉ FOI DESTRUÍDO

O monumento histórico, marco comemorativo do Centenário da Cidade de Baturité, erigido em agosto de 1959,   foi destruído criminosamente pela administração passada da prefeitura daquela cidade.  
Por incúria e visão míope de muitos governantes de nossa pátria, a nossa memória e a nossa história se perdem na poeira do tempo. Registro o meu protesto veemente contra a destruição, não só do monumento, mas, também, da Praça Santa Luzia, que guardava muitos aspectos da história de nossa cidade. Vamos lutar para que o monumento seja reconstituído, pois um país sem memória é um país sem história.
Jornal "A VERDADE" de 9 de agosto de 1959

Parte da programação do Centenário de Baturité

Parte da programação do Centenário de Baturité

Parte da programação do Centenário de Baturité

Parte da programação do Centenário de Baturité

Parte da programação do Centenário de Baturité
SOLENIDADE DE INAUGURAÇÃO DO MONUMENTO COMEMORATIVO DO CENTENÁRIO DE BATURITÉ


Antiga Praça Santa Luzia com o monumento comemorativo do centenário da cidade

Atual Praça Santa Luiza

Atual Praça Santa Luiza