Google+ Followers

terça-feira, 3 de abril de 2012

CARTA PARA A MANINHA



Hoje, dia 3 de abril de 2012, está completando 10 anos do falecimento da Maninha. Em sua homenagem, transcrevo uma carta que fiz na ocasião e que foi publicada no jornal "O POVO", em 27 de maio de 2002.
        
                                                                 
                                                                                                        Fortaleza, 09 abril de 2002.
      
   Maninha querida,                                                      

“Valeu a pena? Tudo vale a pena se a alma não é pequena”. E tua alma era imensa, tão grande quanto a vastidão do “Mar Portuguez”, cantado em versos por Fernando Pessoa, teu poeta preferido. Tua vontade de viver e servir a todos  foram ainda maiores. Tua vida, Maninha, valeu, sim, valeu a pena... Fizeste dela uma grande festa e atravessaste sorrindo, feliz, amando, doando-te e contagiando a todos com tua alegria, simpatia e bondade.  Eu tive o privilégio de compartilhá-la contigo e de conhecer profundamente tua alma generosa. Minhas amigas eram tuas, e as tuas, minhas também. Dessa forma, tivemos amigas duplicadas.
                  
Tua história foi rica. Foste uma filha exemplar. Adoravas o papai e a mamãe e era por eles que tu chamavas quando vivias teus últimos dias. Foste uma mãe e avó dedicada e desprendida. Dando tanto amor, recebeste também muito amor e dedicação dos teus filhos e neto. Sonhaste com uma filha e foste mãe de todas as tuas irmãs, cunhadas, sobrinhas e de tuas amigas mais íntimas. Teus filhos te deram noras que foram filhas, e minhas filhas, Maninha, foram tuas também. Teu coração foi tão generoso que foste mãe  dos teus irmãos, cunhados, sobrinhos e do teu maior amigo.

Como profissional, foste grande, competente, inteligente, responsável e extremamente ética. Espalhaste  o teu saber não só no Ceará, mas em muitos Estados do Brasil. Hoje, és reconhecida pela valiosa contribuição que deste ao Tribunal de Contas dos Municípios, onde angariaste inúmeros amigos. Recebeste dos Conselheiros a homenagem de um voto de pesar, um minuto de silêncio e o enaltecimento da grande municipalista que foste.

Tua ânsia de ajudar a todos extravasou-se na luta pela libertação das mulheres sufocadas pela opressão machista e pelos sistemas sociais retrógrados. Militamos juntas na União das Mulheres Cearense, participando dos movimentos políticos pela emancipação da mulher aguilhoada, objetivando elevá-la à condição  da dignidade humana.  Tu te irmanaste também, com todo o fervor,  em outra luta: a  da libertação dos sofredores das camadas economicamente desvalidas. Por isso, erigiste como teus ídolos aqueles que dedicaram a vida na luta contra as injustiças sociais, dentre eles Che Guevara.

Maninha, tu jamais tiveste preconceito de classe social, sexo, raça e religião, e dispensaste a mesma atenção a todos, convivendo em igualdade com tuas domésticas, os mais pobres e as minorias oprimidas. No entanto, Maninha, foste alvo de discriminação porque ousaste amar  acima dos preconceitos sociais, com todo o fogo da paixão. Foste transparente, autêntica e honesta.

Tive o privilégio de te acompanhar no teu lento sofrimento e constatar de perto teu heroísmo e tua capacidade de enfrentá-lo. Saiba Maninha, que ele não foi em vão; pois em nós ficou o teu exemplo de bravura. Em meio a tanta agonia, tiveste a felicidade de realizar um grande sonho: o de ser avó outra vez! Tiveste, também, a sorte de ser assistida e cuidada por um  médico abnegado, dedicado, extremamente competente e ético, que lutou heroicamente junt  à Clêide para salvar tua vida. Eu, Maninha, impotente para te curar, procurava de todas as maneiras amenizar a tua dor. As músicas do Chico Buarque foram um lenitivo. Lembras da década de 60 quando o conhecemos? Foi através de ti, dos teus discos, que passei a admirá-lo. Ambas, mergulhamos com a mesma profundidade  na alma desse poeta e atravessamos a vida embaladas por suas canções.

Por ti, agradeço à todas as pessoas que nos teus últimos  dias estiveram ao teu lado,  cuidando de ti,  acarinhando,  acalentando,  aliviando as tuas dores, orando e sofrendo contigo. Agradeço aos tios, primos, irmãos, amigos, sobrinhos, cunhados e cunhadas que te visitaram. A todos que por ti oraram. Agradeço, enfim, Maninha, aos que te velaram e aos que estão aqui presentes reverenciando a tua memória. Não morreste! Ficaste encantada, deixando um vazio imenso e uma saudade eterna. Para falar dessa saudade que sinto, te ofereço a canção daquele que julgaste gênio por sua obra e maestria:

“PEDAÇO DE MIM”
Chico Buarque
1977-1978

Oh, pedaço de mim
Oh, metade afastada de mim
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar

Oh, pedaço de mim
Oh, metade exilada de mim
Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais

Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu

Oh, pedaço de mim
Oh, metade amputada de mim
Leva o que há de ti
Que a saudade dói latejada
É assim como uma fisgada
No membro que já perdi

Oh, pedaço de mim
Oh, metade adorada de mim
Leva os olhos meus
Que a saudade é o pior castigo
E eu não quero levar comigo
A mortalha do amor
Adeus”

Adeus querida irmã e um beijo tão grande e carinhoso como o último que tu me deste.

                                                                                                                               Ana

8 comentários:

  1. DO FACEBOOK

    Ana Maria Nunes Rocha:
    Nosso coração ainda dói mesmo pela perda dos nossos entes queridos!!Um dia abençoado pra vc!!Bjs

    Bete Simões:
    Muitas saudades!!!

    Regina Arruda Bastos Machado:
    Maninha viveu sua vida com muita intensidade. Saudades!

    Vera Veraarrudabastos:
    Prima querida!!!

    Edgy Eduardo Paiva:
    Saudades...

    Regina Arruda Bastos Machado:
    Maninha só deixou saudades. Era especial e muito querida.

    Márcia Autran:
    Que linda homenagem! Muito emocionante e cheia de ternura.

    Luciana Paiva:
    Linda a homenagem Ana!!! Lembro da D. Noemi todos os dias, mas hoje em especial, pelos 10 anos de falecimento. Meus filhos teriam adorado conhecer a outra avó. Hoje eles falam muito que queriam ter conhecido a Vovó Noemi... Uma pena!!! Bj

    ResponderExcluir
  2. DO FACEBOOK

    Ana Margarida Arruda Rosemberg:

    Luciana, o Pepê não conheceu o Rosemberg. Também, acho uma pena. Por isso, entendo que vc lamente, mas, por outro lado, vc pode amenizar mostrando muitas fotos e falando muito sobre ela. É isso que faço com relação ao Rosemberg.

    Luciana Paiva:
    Eu também faço isso Ana... Hoje o Gabriel e Tiago já conhecem a vovó Noemi o vovô Enéas... De foto e da vida deles... Por isso eles sempre falam que queriam ter conhecido os dois...

    ResponderExcluir
  3. DO FACEBOOK

    Edna Maria:

    Hoje, ao acordar, lembrei com saudade do meu querido pai que se fosse vivo completaria 93 anos. E de minha querida irmã Maninha que partiu em 03/04/2002 deixando um grande vazio em nossas almas. O nosso consolo é que eles com certeza estão ao lado de Deus acompanhados de minha mãe.

    ResponderExcluir
  4. DO FACEBOOK

    Eulina Zaranza:

    Jamais vi coisa igual de uma irmã.Linda e emocionante.

    ResponderExcluir
  5. DO E-MAIL

    Cara Ana,
    Boa noite!
    Postei duas mensagens em seu blog.
    Como não sei se foram acolhidas, ei-las, por e-mail:
    Cara Ana Margarida,
    Simplesmente tocante a despedida que você fez à sua irmã tão querida, com um
    pungente arremate lastreado na canção-poema de Chico Buarque, que fala do
    naco extirpado de nosso corpo.
    O seu texto me fez recobrar as lembranças de minha irmã Marta, sua ex-colega
    do Ginásio Santa Maria Goretti, que partiu tão cedo esta vida descontente, e
    está, assim como a sua amada Maninha, repousando lá no céu, eternamente,
    junto ao Pai.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  6. O e-mail acima foi enviado pelo Dr. Marcelo Gurgel.

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana, somente hoje estou vendo a linda e tocante homenagem que você fez à Maninha, quando da sua partida prematura.
    Assim, não estive junto a você, comungando com seus sentimentos neste 3 de abril, dia de melancolia e recordações. Perdão.
    Beijos
    Ângela










    assim não pu

    ResponderExcluir