Google+ Followers

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

HOMENAGEM AO ROSEMBERG NO CENTENÁRIO DE SEU NASCIMENTO


Descerramento da placa e da foto pelos seus filhos Sergio e Ivan

Da esquerda pra direita: Maria Cecilia, Rosa, Ana Margarida, Dirce, Sergio, Fiuza e Ivan

Da esquerda pra direita: Trovador,  Glacilda, Ana Margarida, Marco Antônio, Denise, ? , Silvia.

Ana Margarida, Fiuza, Margarida e trovadores

Da Direita pra Esquerda: Ana Margarida, Margarida, Fiuza e filhos

Mesa de lanche

Ana Margarida sendo homenageada pelo Instituto Clemente Ferreira

Mesa de homenagens ao Rosemberg

Foto e placa comemorativas

Fardão de professor titular

Painel de fotos

Álbum de fotografias do Rosemberg


Introdução à aula ministrada pela Dra. Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg no auditório do Instituto Clemente Ferreira, em São Paulo, no dia 25 de novembro de 2009, como parte das comemorações alusivas ao centenário de nascimento de José Rosemberg


Meu cordial Bom Dia!
            Em primeiro lugar quero agradecer a todos vocês que vieram reverenciar a memória de José Rosemberg, principalmente, seus familiares aqui presentes, seus amigos e convidados especiais.
           Quero agradecer e me congratular com o Instituto Clemente Ferreira, através de seu diretor, Dr. Fernando Fiuza; com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, através da Dra. Clelia Maria Sarmento de Souza Aranda, coordenadora da CCD e da Dra. Maria Cristina Megid, diretora Técnica do CVS; com a Sociedade Beneficente Clemente Ferreira, através de seu presidente, Dr. Fausto Cestari, que, irmanados,  em um justo preito de gratidão, rendem homenagem a José Rosemberg.
           Agradeço a todos que contribuíram para o brilhantismo deste momento, especialmente, à Dra. Denise Rodrigues pela coordenação do mesmo e por não ter medido esforços para realizá-lo; ao Dr. Marco Antônio de Moraes pelo seu toque dando um colorido especial à exposição. Agradeço e me congratulo com os Drs. Fernado Fiuza, Jorge Afiune e Marco Antônio de Moraes, pelas brilhantes palavras proferidas nesta manhã.
As homenagens póstumas comemorativas que aqui se desenrolam e o calor afetivo que as envolve são a demonstração de quanto foi relevante o ideal deste médico humanitário que, durante sua longa e profícua existência, nunca se afastou do combate à tuberculose e ao tabagismo, dois terríveis flagelos que a humanidade ainda enfrenta.
            Com simplicidade, sabedoria e, sobretudo, paixão, ele lutou contra a morte, escreveu com heroísmo uma das mais belas páginas da medicina brasileira e, assim, transformou-se em um símbolo nacional. Hoje, após 100 anos de seu nascimento, Rosemberg  continua merecedor da gratidão e admiração não só dos que aqui estão, mas de todos os brasileiros.
Gostaria de iniciar minha apresentação, como meu tio Luiz no cinquentenário do Jesuitas, em Baturité, reportando-me ao Padre José de Anchieta que, em 1563, nas areias de Iperuí, ao rabiscar um poema dedicado à Virgem Maria, escreveu em latim: Eloquar an Silean? Devo falar ou manter-me calado?
           Como Anchieta, também, me questiono: Devo ou não falar? Talvez a segunda opção seja a mais aconselhável, pois para mim é tarefa difícil, para não dizer impossível, homenagear Rosemberg, como ele merece..  Evocando o pretérito, narrarei, apenas, alguns fatos de sua vida pessoal que se desenrolaram outrora, nos velhos tempos, e que me pareceram dignos deste relato.
           Esta manhã é para mim de nostalgia, pois sinto uma infinita e devastadora saudade. No entanto, paradoxalmente, sinto uma grata alegria e satisfação de estar aqui com vocês reverenciando a memória de José Rosemberg no seu centenário de nascimento.

                                                                           Ana Margarida Furtado Arruda Rosemberg                                                                                 São Paulo, 25 de novembro de 2009

2 comentários:

  1. Linda, emocionante e merecida homenagem. O Dr. Rosemberg foi e continuará sendo um exemplo de vida para todos nós. Parabéns pelo belo texto!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Edna! Ele teve uma vida dedicada à medicina. Deixou um belo legado para a humanidade.

    ResponderExcluir