Google+ Followers

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

OS JESUITAS EM BATURITÉ Nº 1



Os Jesuítas chegaram à Baturité graças a Ananias Arruda. Na noite do dia 13 de abril de 1921, no Palácio Episcopal de Fortaleza, meu tio Ananias em um encontro casual com o padre Jesuíta, Antonio de Oliveira Pinto, provincial da Companhia de Jesus no norte do Brasil, tomou conhecimento da intenção da Congregação de construir uma Escola Apostólica no Nordeste. O Padre Pinto encontrava-se em Fortaleza em trânsito para a cidade de Brejo das Bananeiras, no Estado da Paraíba, onde iria vistoriar um terreno destinado a referida construção. Logo, meu tio o persuadiu a ir à Baturité e juntos visitarem o “Sítio Olho D’água”, local indicado por ele, para a construção da Escola. O Padre Pinto não cogitava construí-la no Ceará por causa das secas periódicas, mas, mesmo assim, aceitou o convite.
Ofereceu meu tio, além do “Sítio Olho D’água” que seria comprado, por seu intermédio, a preço módico, pela Arquidiocese de Fortaleza, de seu proprietário Cel. Joaquim de Alencar Matos e doado aos Jesuítas, outras facilidades como: toda a cal que seria usada na construção.
O Padre Pinto voltou a Bahia sem nada decidir, mas logo mandou um telegrama com os seguintes dizeres: "Aceito Olho D’água - Padre Pinto". Passados alguns dias recebeu meu tio uma procuração para assinar a escritura da doação do sítio e uma carta  pedindo para assumir a construção da Escola.
No dia 15 de abril de 1922, foi concluída uma ponte sobre o leito do rio Aracoiaba para facilitar o transporte do material de construção. Em maio do mesmo ano, tio Ananias comprou dois sítios anexos ao Olho D’água: o “Jordão Mendes” e o “Caridade” no alto da serra onde seria construída a “Casa de Retiros Fechados São José”.
Para o arrojado projeto da Escola Apostólica, o Padre Antônio de Oliveira Pinto contratou um renomado engenheiro de São Paulo que projetou sua construção numa área de terra de 110 metros de frente por 78 de fundos.
No dia 3 de dezembro do mesmo ano,1922, foi benta a Pedra Fundamental por Dom Manuel da Silva Gomes, Arcebispo de Fortaleza, na presença do Ministro da Viação, do Presidente do Estado, do Representante da Inspetoria de Secas, do representante da Rede de Viação Cearense, de jornalistas, religiosos e grande massa popular.
            A comitiva do Sr. Arcebispo foi recebida pelo Coronel Ananias Arruda, Padre Antonio de Oliveira Pinto, Monsenhor Manoel Cândido dos Santos e Dr. Abner Vasconcelos, juiz de direito de Baturité.
            A Pedra Fundamental, benta solenemente pelo Arcebispo, foi retirada das ruínas da antiga Igreja dos Jesuítas, na cidade de Aquiraz, no Ceará, demolida quando da expulsão dos jesuítas, no ano de 1748.   Em uma cavidade preparada para abrigar a referida pedr foram colocadas, também, várias moedas em circulação, um exemplar do jornal “A Verdade”, e um precioso pergaminho no qual o Dr. Andrade Furtado, redator chefe do jornal “O Nordeste” lavrou uma ata histórica da cerimônia que foi assinada pelo Arcebispo, sua comitiva e muitos dos presentes.
            Quando do fechamento da cavidade com a pedra, o mestre Abel Maia redigiu o seguinte: Pedra, Ruínas, Igreja Aquiraz P.P. Jesuítas 1748, primeira pedra E. Apostólica P.P. Jesuítas de Baturité, 3-XII-1922.
A partir desse instante, ficou tio Ananias responsável pelo andamento da obra que foi iniciada no dia 3 de janeiro de 1923. Além dele, Dona Libânia de Holanda contribuiu, significativamente, para a construção e o Padre Pinto fez uma verdadeira peregrinação por todo o Brasil angariando recursos. 
Em 15 de agosto de 1927, concluída a parte lateral do prédio, foi a Escola Apostólica dos Padres Jesuítas de Baturité, solenemente inaugurada, com a benção de suas dependências pelo Arcebispo de Fortaleza, Dom Manuel da Silva Gomes, e uma missa campal com a participação de um grande número de pessoas.
Foram Jesuítas fundadores:
Padre José Celestino – Reitor
Padre Paulino Vielledent – Ministro
Padre Joaquim Teixeira – Prefeito dos Apóstolos
Padre Felipe Pinheiro
Padre Alexandrino Monteiro
Irmão Bosco
Irmão Fernandes
Irmão Oliveira


Foto: site do Mosteiro dos Jesuitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário